Ela e Ela

 

Antes,

Uma alegria era vivida assim…

Uma tristeza, assim…

Uma vitória, assim…

Um fracasso, assim…

Uma paixão, assim…

Uma desilusão, assim…

O medo, assim…

A ousadia, assim…

…quase sempre, com emoções estridentes.

     Mas, a Sra. Dona Sabedoria Relacional Social e Outras, de vez em quando dá-nos uns safanões e vai ensinando-nos a viver estes frios, tremores e calores de uma forma mais temperada. Quero eu dizer, segundo parâmetros adequados e em-quadrados.

     E…lá vamos nós, crescendo, de acordo com as expectativas da Sra. Dona Sabedoria Relacional Social e Outras.

     Alguns, no entanto, desafiam as leis das ciências exactas e dão a volta aos ângulos dos seus quadrados. São estes, os persistentemente teimosos, que dão ainda mais dores de cabeça à Senhora Dona.

      O que achas se lhe dermos um safanão, se a desarrumarmos um bocadinho, se a tratarmos por “tu”?

     Acho que esta outra faceta da Sabedoria, a de Menina, mais infantil, é aquela que mostra o medo, a ousadia, a paixão, a desilusão, o fracasso, a vitória, que uns dias está triste e, outros, alegre e transmite tudo isto com frios e tremores abaixo de 0º e calores acima dos 37º e consegue resistir, porque também é sábia. Será isto dar a volta aos “º” (ângulos)? Talvez seja…

     Com este discurso não quero de maneira nenhuma desprestigiar o papel da Sra. Dona Sabedoria Relacional Social e Outras. Com todos os conflitos que surjam entre ambas, uma não deverá nunca ter a pretensão de oprimir e/ou destruir a outra. Como se faz isso? Questionemo-nos constantemente como fazem as crianças. Se não nos questionarmos não precisamos de encontrar respostas e, consequentemente, agir. Mas… e a nossa amiga curiosidade?

     Sabem o que entretanto descobri? Que a escalada para a maturidade é infinita e, tal como os descobridores aventureiros do mundo, quando perceberam que a terra não terminava naquela linha lá no horizonte foram impulsionados a descobrir o que estava além de, talvez a necessidade da nossa descoberta interior tenha a mesma lógica de funcionamento: uma lógica impulsionada pela curiosidade! 

     Sendo a curiosidade infinita, qual é a tua opinião? Achas que existe um limite que te dirá um dia: “Atingiste a maturidade!”?

     A estação onde mora a minha casa é a Primavera. Entretanto, vou viajando no comboio que partilho com outros viajantes, saindo nas outras estações e, ao voltar ao comboio, peço-lhe emprestadas as linhas (de algodão) para alinhavar as experiências enquanto não chego a casa.