Vínhamos na estrada, de volta a casa, olho para o céu e uma aurora boreal dançava! Foi no dia 5 de Setembro. Enveredamos por uma estrada de campo e parámos num local com duas casas, quase sem luz artificial, e contemplamos lindos desenhos coloridos, uns que que se formavam e outros que se desvaneciam. O termómetro marcava 2 graus. O céu estava repleto de estrelas. A Lua, essa, dormia.

Um dia na Lapónia que não iremos esquecer!! Eu e a minha amiga estamos ali, olhando o céu deste local maravilhoso do nosso planeta!

a Cidade e a Serra são Mulheres

Iniciei uma história que eu gostava que me acompanhasse até ela querer. Não trabalharei à sexta feira durante uns meses e vou dar o tempo desse meu dia, porque há um ano aprendi que o Tempo é o Bem mais precioso que temos para dar. Pretendo partilhar esse meu dia com gente do povo, gente que trabalhou nas industrias importantes desta cidade onde hoje eu vivo e gente que trabalhou nos campos desta serra maravilhosa, a Serra de São Mamede. Vou dedicar-me às mulheres, hoje reformadas e que, com a sua força de trabalho, contribuíram para a vida desta cidade e desta serra. Vou tentar descobrir onde elas estão com a ajuda de alguns amigos e familiares e depois vou convidá-las a contar as suas histórias para mim. Vou ouvi-las atentamente e escrevê-las. Porquê? porque eu gostaria muito de escrever histórias sobre estas mulheres importantes, as mulheres do povo.

Por enquanto fecho-me na biblioteca da cidade e procuro literatura a seu respeito e a respeito da serra, mas leio ao ar livre nos Claustros de um lindo Convento ao qual a biblioteca dá acesso. Enquanto leio, ouço os passarinhos que por ali cirandam, sim porque uma fêmea tinha as suas crias ali pertinho de mim e voava, voava, executando a lide doméstica.

Um mergulho no passado
Um mergulho no passado
o meu local de leitura
o meu local de leitura
A Fábrica da Cortiça e uma história sobre os conflitos sociais no início do Sec. XX
A Fábrica da Cortiça e uma história sobre os conflitos sociais no início do Sec. XX
O passarinho, lá ao fundo sobre a varanda, a minha companhia
O passarinho, lá ao fundo sobre a varanda, a minha companhia